Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável
  • Ativos Ambientais
    Projetos e estudos para o desenvolvimento sustentável por meio do uso consciente dos recursos naturais.
  • Agricultura Sustentável
    Projetos e interface entre diferentes atores para a criação de uma agricultura confiável e sustentável.
  • Sustentabilidade Urbana
    Projetos que buscam equacionar a sustentabilidade dos grandes centros urbanos no médio e longo prazos.

Notícias

Aquecimento global pode aumentar desigualdade no Brasil, alerta estudo

Por Daniela Chiaretti | Valor
Lunae Parracho/Reuters

SÃO PAULO  -  A mudança do clima pode transformar o semiárido nordestino em região árida nas próximas décadas. As regiões costeiras serão impactadas pelo aumento do nível do mar - os riscos são de prejuízos estruturais a cidades litorâneas incluindo portos e obras de saneamento. Existe a chance de a água salgada invadir os aquíferos. O Brasil pode reduzir seu potencial de pesca em 6% nos próximos 40 anos e perder 11 milhões de hectares de terra adequadas à agricultura até 2030, o que colocaria em risco a produção de alimentos no Brasil. O aquecimento global pode aumentar a desigualdade entre ricos e pobres no Brasil.

Estas são as principais mensagens do estudo sobre "Impactos, Vulnerabilidades e Adaptação" à mudança do clima produzido pelo Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas (PBMC) e divulgado nesta sexta-feira, 25, no Rio de Janeiro.

O Painel, que reúne quase 350 cientistas brasileiros, foi criado em 2009 para produzir informações científicas sobre a mudança do clima no Brasil. É ligado aos ministérios da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente e funciona inspirado no IPCC, a sigla em inglês para Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática, o braço científico das Nações Unidas.

"O que me chama mais a atenção neste relatório é algo não tão explícito", diz Suzana Kahn Ribeiro, presidente do PMBC. "Com a mudança do clima, a tendência no Brasil, que já é um país desigual, é de se acentuar muito a desigualdade entre pobres e ricos."

No estudo, os cientistas recomendam que os políticos não percam tempo e comecem a planejar já como o país deve se adaptar aos impactos da mudança do clima.

Há três anos, 345 pesquisadores de diferentes áreas e estados brasileiros vêm trabalhando no primeiro diagnóstico sobre o tema no Brasil, o Relatório de Avaliação Nacional (RAN1). O relatório foi dividido em três volumes, produzidos por três grupos diferentes de pesquisadores.

O GT1 agrupou as conclusões de estudos feitos entre 2007 e o começo de 2013 sobre a ciência do clima e as divulgou em setembro. Hoje foi lançado o sumário executivo do GT2, sobre os impactos e as vulnerabilidades do Brasil; em novembro será lançado o terceiro volume, sobre estratégias de redução de emissões de gases estufa.

NE em perigo

O estudo divulgado nesta sexta volta a apontar o Nordeste como a região do Brasil que mais deve sofrer, podendo ter forte redução nas áreas cultivadas de milho, arroz, feijão, algodão e girassol, com perda significativa da produção.

"Duas regiões poderão ser mais atingidas: toda a área correspondente ao agreste nordestino, hoje responsável pela maior parte da produção regional de milho, e a região dos cerrados nordestinos, como sul do Maranhão, sul do Piauí e oeste da Bahia", avisa o estudo.

"No Nordeste, a população carente sofrerá ainda mais com a seca. Não só não resolvemos o passivo histórico naquela região como as coisas irão se agravar ainda mais", diz Suzana Kahn. "A tendência é de aumentar a migração para áreas urbanas, que não têm como suportar mais demandas, e o campo se esvaziando."

Agropecuária ameaçada

O aquecimento global, diz o relatório, pode colocar em risco a produção de alimentos brasileira como um todo, caso nenhuma medida mitigadora e de adaptação seja feita.

Além dos cenários agrícolas apontarem para uma redução de área cultivável, os efeitos negativos sobre a oferta de commodities devem resultar em elevação dos preços de arroz, feijão e carne. "No setor agropecuário, as consequências do aquecimento global serão inúmeras", diz o estudo.

Os pesquisadores aconselham que o setor agropecuário aumente sua produtividade, sem desmatar mais, mas "reabilitando milhões de hectares de terras degradadas e adaptando-se às mudanças climáticas".

Também sugerem a descentralização da produção, o melhoramento genético de variedades tolerantes à seca, a ampliação do acesso à tecnologia de irrigação eficiente e o plantio direto, entre outras práticas.

Há uma boa notícia nas projeções do estudo, no entanto: com o aumento da temperatura, o risco de geadas no Sul, Sudeste e Sudoeste será menor.

Risco à biodiversidade

Todos os biomas brasileiros - Mata Atlântica, Cerrado, Caatinga, Pantanal, Pampas e Amazônia - são vulneráveis à mudança do clima. A mudança do uso da terra em larga escala pode alterar o clima regional, que será mais quente e mais seco sobre a região leste da Amazônia. Na região, diz o estudo, "a demanda de expansão de infraestrutura não pode correr o risco de ser desordenada".

"Há o enorme risco da perda de biodiversidade. Estaremos perdendo algo que nem sabemos que temos. Nem sabemos o que estamos perdendo", diz a pesquisadora.

Potencial hidrelétrico

O regime hidrológico também será alterado, e de forma diversa, sobre o território brasileiro. Ocorrerá um aumento de chuvas no Sudeste. Os riscos de desastres naturais, como enchentes e secas, devem ser observados de modo a identificar as populações que estão vivendo em risco. É preciso integrar tudo isso com sistemas de alerta precoce e planos de ação locais.

"Se ocorrerão mudanças nas vazões dos rios, como o estudo aponta, isso vai significar menor potencial hidrelétrico para ser aproveitado e é uma informação muito importante para o planejamento do setor elétrico", diz Suzana Kahn. O setor energético pode ser afetado, segundo o relatório, tanto nos recursos energéticos como nos transportes e consumo de energia. "Em termos de oferta de energia, praticamente todas as opções estão expostas a algum grau de vulnerabilidade", diz o relatório.

O estudo diz que "é preciso investir em um monitoramento ambiental sistemático e de longo prazo, no ordenamento territorial e no gerenciamento costeiro". Recomenda que se estudem medidas de adaptação ao recuo das linhas de praia.

Os estudos que o relatório agrupa indicam erosão de áreas costeiras, com danos a obras de proteção.

Metrópoles em risco

As cidades, onde vive a maior parte da população brasileira, enfrentam impactos já significativos da mudança do clima. "Aumentar a resiliência das cidades envolve abordar redução da base de pobreza", diz o estudo.

Quase todo o Nordeste, o noroeste de Minas Gerais e as regiões metropolitanas de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador, Brasília e Manaus são as áreas mais suscetíveis aos impactos da mudança do clima até o fim deste século.

Segundo o estudo, nos próximos 30 anos, a cidade do Rio de Janeiro é a que mais sofreria no Estado, com o aumento do nível do mar, chuvas mais fortes, inundações e doenças induzidas pelo fenômeno. "Se haverá um aumento de chuvas no Sudeste e um aumento no nível do mar, é preciso planejar a adaptação das cidades costeiras", diz Suzana Kahn.

Mapear riscos

O diagnóstico também fala sobre os impactos na atividade industrial. "O custo da inação pode impactar os diversos segmentos da indústria brasileira, podendo ser mais alto que o custo de se implementarem medidas adaptativas às mudanças climáticas", indica o trabalho.

A sugestão é que as áreas de risco sejam mapeadas em detalhes. No setor de transportes, que deve sofrer impactos na mobilidade urbana, é preciso tanto ter ações de redução na emissão de gases-estufa como investir na melhoria da infraestrutura e na diversificação da matriz. É preciso tanto realocar estradas e vias como adequar pontes e pavimentos de forma a suportar as condições meteorológicas.

Secas e inundações, ondas de frio e de calor e temporais já são mais frequentes, trazem risco à segurança e são vetores de doenças. O estudo aponta para que se construa um sistema nacional de registro de ocorrência de desastres, para que um arquivo histórico indique, também, as atitudes que devem ser tomadas em um evento extremo, o que aconteceu com as populações, qual a efetividade da ação do poder público.

A importância do PMBC é a de que os estudos do IPCC, da ONU, não tinham quase dados sobre o hemisfério Sul, diz Suzana Kahn.

Ela lembra também que o painel da ONU trabalha com médias. "É difícil para o tomador de decisão traduzir as médias em ações no seu país", diz ela. Por isso foi criado o painel brasileiro, para "aproximar os dados da realidade do tomador de decisão", diz.

Leia mais.

Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável
Rua Engenheiro Álvaro Niemeyer, 76
CEP 22610-180
Rio de Janeiro - RJ - Brasil
Tel. +55 (21) 3322-4520
Fax +55 (21) 3322-5903
fbds@fbds.org.br

webTexto é um sistema online da Calepino